Psicoterapia de Família e Casais

Apesar da grande divulgação, nos últimos anos, do aumento do número de pessoas em busca do autoconhecimento, a terapia de família e casal ainda é desconhecida.

Muitas vezes, quando um indivíduo apresenta um problema, este pode ter tido origem num conjunto de relações familiares deficitárias, e afetar todos os outros membros. Desta forma, a terapia de família constitui-se num método de tratamento que trata das relações familiares. Isso quer dizer que não vai se tratar o indivíduo isoladamente, mas sim o grupo familiar como um todo e o vínculo entre seus membros.

Psicoterapia de Família e Casais

Psicoterapia de Família e Casais

É importante resaltar que a terapia de família e casal não exclui a necessidade de procurar, também, psicoterapia individual, que trata das questões analíticas do sujeito. Ao mesmo tempo, ao tratarmos apenas a pessoa que manifestou o problema, deixaremos de tratar todos os outros afetados pela mesma dificuldade. Isto faz da terapia familiar um excelente aliado do tratamento psicoterápico individual.

Assim, a Psicoterapia Sistêmica vê o indivíduo como um ser e suas relações. A família, por exemplo, é um sistema de relacionamentos, que estão em constantes mudanças, podendo ser tratadas como organismos vivos, algo além da soma de suas partes. Seus comportamentos são influenciados pelas interações dos membros da família e de outras pessoas do seu convívio. Desta maneira, a terapia sistêmica busca encontrar nas relações disfuncionais das pessoas a causa de seus males.

As características dos indivíduos fazem parte de um ciclo de contínuas ações e reações, e não provêm apenas de fatos isolados. Esse conceito chama-se Causalidade Circular. Em vez de procurar causas para os problemas, o terapeuta sistêmico procura identificar padrões de comportamento e lidar diretamente com esses padrões, com o objetivo de “desatar os nós” que causam desconfortos e conflitos.

A Terapia Sistêmica tem o foco no processo, e não no conteúdo. O terapeuta fica atento à maneira com que as situações acontecem, e não apenas porque elas acontecem, com cada pessoa, casal ou família que buscam tratamento.
Por outro lado, em toda família coexistem tendências para saúde e para doença, o diferencial se fará a depender de como a família enfrenta situações de crise, de como está a afetividade e a comunicação entre seus componentes. Este serão os indicadores de relações saudáveis ou adoecidas.

A procura por um terapeuta se dá, geralmente, quando a família apresenta um grave problema. Pode ser um dos membros apresentando um transtorno psíquico, a presença de álcool ou drogas, a iminência de uma separação, perdas, etc. Assim, a terapia é indicada sempre que conflitos na relação estejam prejudicando a harmonia familiar, podendo, inclusive, provocar sintomas em um ou mais membros da família. Quando a família participa junto da terapia, haverá um somatório de forças em direção à resolução dos conflitos.

A terapia de casal, por sua vez, visa promover a qualidade da relação conjugal, bem como, prevenir ou intervir em conflitos da interação conjugal. Os conflitos surgem a partir das demandas da vida do casal, que exige ajustes e negociação para promover a satisfação da relação. Tais demandas se refletem em rotinas, interesses, divisão de papéis, gênero, padrões de conduta, padrões de comunicação, intimidade, sexualidade, emoções não expressas, vividas ou compartilhadas, a interação do casal com outras esferas – família de origem, trabalhos, estudos, amizades, dentre outros tantos temas.

A terapia de casal não une nem separa, funciona como acompanhamento do processo e não impõe decisões. Facilita que o casal identifique os problemas, averigue o que os motivou, verifique a forma como vem reagindo perante as dificuldades. Propicia que os componentes do casal vejam a si mesmos, ao outro e a relação de forma mais aprofundada, e aponta “ferramentas” que poderão auxiliar numa tomada de decisão.
Desta forma, não é aconselhável permitir que os problemas tomem proporções alarmantes para se procurar a terapia. Isto evitará o agravamento da situação conflitiva, possibilitando rever as bases do relacionamento familiar. A procura por um terapeuta, quando isto se fizer necessário, permite dedicar tempo e atenção à família e/ou à relação conjugal, conferindo-lhe importância, reconhecimento e consideração.

 

Links Relacionados
CEFI. Centro de Estudos da Família e do Indivíduo
Biblioteca Virtual em Saúde
Rede Api – Apoio a Perdas Irreparáveis